Você sabe o que é incontinência urinaria? Já ouviu falar em incontinência urinaria?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), 7% das mulheres entre 20 a 39 anos têm incontinência. Dos 40 aos 59 anos, 17% relatam episódios de incontinência urinaria; entre os 60 aos 79 são 23%, já acima dos 80 são 32%. Podendo ocorrer também entre homens, um a cada quatro homens acima de 40 anos sofre com incontinência urinária.

incontinência urinária (IU) é caracterizada pelo perda involuntária de urina, durante algum esforço como: levantar algum objeto, durante a pratica de atividade física ou até mesmo durante a tosse ou espirro. Acontece porque há um desequilíbrio corporal e o esfíncter relaxa de maneira involuntária, fazendo com que haja perda de urina pela uretra. Já o ato normal de urinar acontece quando, ao mesmo tempo, existe a contração da bexiga e o relaxamento do esfíncter.

A incontinência urinária é considera pela Organização Mundial de Saúde (OMS) um problema de saúde pública que compromete o bem-estar físico, emocional e social.

 

Tipos de incontinência urinária:

  • Incontinência urinária de esforço

Escape de uma pequena a moderada quantidade de urina., especialmente durante o ato de tossir, espirrar ou rir.

  • Incontinência urinária de urgência

Necessidade súbita, frequente e incontrolável de ir ao banheiro, podendo ter escape em pouca ou alta quantidade.

  • Incontinência Urinária Mista 

Quando os sintomas da incontinência urinária podem se misturar.

Incontinência urinária em atletas de alto impacto

Quem realiza atividades físicas de alto impacto também não está livre da incontinência urinária. Durante a prática esportiva, há aumento da pressão intra-abdominal, que pode causar um impacto sobre o assoalho pélvico de três a quatro vezes mais que o peso do atleta.

Esportes que incluem contração abdominal máxima de forma repetitiva, como atletismo, artes marciais, fisiculturismo, basquete, futebol, aumentam a ocorrência de IU.

Fatores de risco para homens e mulheres

  • BEXIGA HIPERATIVA.
  • CONSEQUÊNCIA DE CIRURGIAS.
  • CONSTIPAÇÃO CONSTANTE.
  • DIABETES MELLITUS.
  • DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO.
  • IDADE.
  • INFECÇÃO URINÁRIA.
  • INSUFICIÊNCIA CARDÍACA.
  • FRAQUEZA DE MÚSCULOS DA REGIÃO PÉLVICA.
  • MEDICAMENTOS.
  • OBESIDADE.
  • TABAGISMO.
  • OBSTRUÇÃO DA URETRA (é a causa mais frequente da ocorrência de incontinência urinária no homem, ocorre após uma Hiperplasia Prostática Benigna (HPB)).

Prevenção

É possível adicionar à rotina do dia a dia uma série de hábitos que evitam a incontinência urinária. Fique por dentro:

  • Controle a ingestão de líquidos à noite.
  • Evite bebidas alcoólicas e com cafeína.
  • Controle o diabetes e o peso corporal.
  • Abandone o tabagismo.
  • Regule os intervalos entre as micções. Não espere apenas a vontade de urinar para ir ao banheiro.
  • Mantenha uma alimentação saudável, com bastante fibras. Preferencialmente, procure um nutricionista para melhores efeitos.
  • Realize atividades físicas regularmente, sempre acompanhado por profissionais especializados.

Aqui no Espaço ERA temos relatos de paciente/alunos/clientes que praticam tanto o Treinamento Funcional como o Pilates e obtiveram melhoras significativas na perda de urina que antes era considerável. Essas duas atividades propostas pelo Espaço ERA são atividades dinâmicas, que une a força muscular com o controle mental, a respiração e o relaxamento. Por isso, esses dois métodos conseguem resultados satisfatórios nas questões de incontinência urinária.

O método Pilates, visa uma reeducação postural para correção da estática pélvica e um fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico (MAP) com o trabalho de fortalecimento deste grupo muscular e aumento do tônus ocorre a correta transmissão das pressões intra-abdominais, e consequentemente refletirão no mecanismo da continência urinária levando a diminuição do escape de urina. No Treinamento funcional também é possível trabalhar com exercícios específicos e direcionados para fortalecer a musculatura do assoalho pélvico, diminuindo a carga extra para evitar uma força excessiva dessa região. Cada caso será estudado individualmente e as ações e restrições serão direcionadas para cada situação.

Podemos associar a contração muscular dos exercícios do Pilates e Treinamento Funcional com os famosos exercícios de Kegel, que também visam o fortalecimento do MAP potencializando assim os resultados.

Vale a pena lembrar que para obter resultados positivos, antes de iniciar as sessões de Pilates o paciente/aluno/cliente precisa passar por uma avaliação específica, com testes específicos para incontinência urinária.

ESCAPE DE URINA NÃO É NORMAL, PROCURE UM MÉDICO!

Espaço ERA Equilíbrio, Respeito e Atitude POR VOCÊ.

Referências:

(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PILATES, 2016).

Sociedade Brasileira de Urologia (SBU)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *